[Crítica] Killing Eve: 3×03 – Meetings Have Biscuits

O terceiro episódio da terceira temporada de Killing Eve, “Meetings Have Biscuits”, teve um tom cômico em vários momentos. Mas o destaque, claro, fica por conta do tão aguardado beijo de Villanelle (Jodie Comer) e Eve (Sandra Oh).

O episódio começa com mais um assassinato de Villanelle. Mas aqui se inicia um arco que se desenvolve durante todo o episódio: a relação de Villanelle com bebês. Ela mata uma mulher, mata a babá, percebe a empatia da babá pelo bebê e poupa o bebê.

Logo depois, descobrimos que Villanelle não apenas não matou o bebê, como o levou consigo. Na cena em que Dasha (Dame Harriet Walter) e Villanelle conversam, Dasha percebe como Villanelle está contente; a personagem está até interagindo sorridente com o bebê. Provavelmente ela está assim por ter descoberto que Eve está viva. Mas a cena também mostra como, apesar da pequena mudança que podemos notar em Villanelle, nem ela e nem Dasha se importam muito com o mundo. Dasha coloca o bebê no lixo, Villanelle acha graça e as duas continuam conversando normalmente, enquanto as pessoas ao redor estão gritando por ver o bebê no lixo.

Dasha fala sobre um trabalho em Londres, Villanelle se recusa a aceitar o trabalho na cidade de Eve, mas acaba cedendo. Já Eve continua investigando sobre a morte de Kenny (Sean Delaney) e descobre transferências bancárias que ele fez em seus últimos dias.

Uma das cenas cômicas do episódio acontece com Villanelle na loja de ursos de pelúcia, algo que, para ela, é “assustador”. Villanelle grava uma mensagem de voz para Eve e Jodie Comer, mais uma vez, entrega uma atuação impecável, conseguindo nos transmitir muito do sentimento da personagem apenas por seu olhar. Também para se preparar ao encontro, Villanelle escolhe bem qual perfume comprar para usar.

E chegamos ao encontro Villaneve. Super esperado, o encontro foi super casual, dentro de um ônibus em movimento. Eve se assusta ao ver Villanelle e, no impulso, a ataca. Enquanto as duas se estapeiam, também no impulso, Eve beija Villanelle. E logo depois volta a atacá-la.

Toda a cena foi muito bem coreografada. O encontro foi muito ao acaso, caótico, visceral, bem coreografado e significativo. Para completar, a música que toca durante a cena, “Strange Effect”, cantada por Unlove feat. Raven Violet, deu um toque muito especial a tudo, tanto pela música em si quanto por sua letra: “Você tem esse efeito estranho em mim. E eu gosto. Você faz meu mundo parecer certo. Você faz minha escuridão brilhar”.

Voltando ao ponto de Villanelle com bebês, temos a cena em que ela conversa com Konstantin (Kim Bodnia) sobre a época em que era bebê. Villanelle se pergunta como era quando bebê, se fazia as pessoas sorrirem. Os pensamentos a fazem querer saber mais sobre sua família.

Por fim, vemos Eve lidando com sentimentos conflitantes. Em casa, ela encontra a mensagem de voz que Villanelle deixou dentro de um ursinho de pelúcia. Num primeiro momento, ela se assusta e parece recusar aquela mensagem. Segundos depois, vemos a mudança na expressão da personagem (Mais uma vez, Sandra Oh certeira) ao ouvir a mensagem mais uma vez. Se num primeiro momento ela ficou tensa ao descobrir a mensagem de voz, depois ela ficou desconcertada e, como algo magnético, querendo ouvir mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *