[Crítica] Killing Eve: 3×04 – Still Got It

O quarto episódio da terceira temporada de Killing Eve, “Still Got It”, teve estrutura diferente do habitual. Em vez do episódio dividido por cidades, ele foi dividido por personagens. Cada um dos personagens ganhou um bloco narrativo. Deu um bom ritmo ao episódio.

Começando por Niko (Owen McDonnell), que agora vive na Polônia, após ter abandonado tudo. Temos um bom panorama do personagem tentando levar uma vida pacata e normal naquele país. Em seguida, vemos o que está acontecendo com Eve (Sandra Oh).

Após Villanelle (Jodie Comer) invadir sua casa para deixar o ursinho de pelúcia com a mensagem de voz, Eve acha melhor dormir no prédio de seu trabalho. Ela faz uma ligação de um assassinato de décadas atrás com a forma usada por Villanelle. Além disso, é aniversário de Eve. E ela ganha um presente de aniversário… Um bolo em formato de ônibus dado por Villanelle. Vale lembrar que o ônibus marcou o reencontro das duas – e o primeiro beijo.

Sandra Oh consegue transmitir toda a confusão que Eve sente. Ao ver que ganhou uma caixa de presente, vai ao último andar do prédio, por precaução. Após abrir e ver que se trata de um bolo em formato de ônibus e perceber quem deu o presente, Eve tem um ataque de fúria. Ela joga o bolo lá do alto do prédio. E, enquanto joga, podemos ver na expressão dela uma pontinha de arrependimento. Como sempre, o misto de sentimentos que Villanelle causa em Eve.

Todo esse contexto faz Eve se aproximar de Jamie (Danny Sapani), que tem mais uma parte legal do episódio. Jamie convida Eve para dormir em sua casa, e não no sofá do prédio do trabalho. Na casa dele, os dois têm uma conversa bem franca sobre coisas não tão legais que já fizeram em suas vidas. E paralelo a isso tudo, Eve tenta conversar com Niko por mensagens de texto.

Chegamos a Konstantin (Kim Bodnia), que tem sua primeira cena com sua filha. Podemos ver um pouco da relação dos dois. Ele encontra Villanelle e, a partir daí, vamos ao bloco dela. Ela está em sua casa tentando fazer um bolo, antes de mandar o bolo em formato de ônibus para Eve. Enquanto faz o bolo, ela se gaba na frente do espelho que Eve não a superou. Dasha avisa que Os Doze querem marcar uma reunião com ela. Em mais uma cena cheia de estilo, com a esperança de receber uma promoção, Villanelle vai às compras.

A partir daí o bloco de Konstantin e Villanelle se unem. Ele avisa que achou a sua família, mas antes de dar a informação ela deve matar a esposa de Serguei. E então temos uma das melhores cenas do episódio. Villanelle vai ao local matar a mulher, primeiramente parece reticente em matá-la. Começa a brincar de pega pega com a mulher e, enquanto as duas se divertem, Villanelle a mata.

O episódio mostrou ainda blocos de Carolyn (Fiona Shaw) e Dasha (Harriet Walter). Na parte de Carolyn, vimos sua relação com sua filha (Gemma Whelan) e como Carolyn está lidando com a morte de Kenny (Sean Delaney), abafando o seu grito no travesseiro.

Na parte de Dasha, percebemos que Villanelle é um meio para ela voltar à Rússia. A mulher que conversa com Dasha sabe da conexão de Villanelle e Eve. Dasha se oferece para matá-la, mas a mulher diz que isso não parece ser necessário. E logo depois vemos Dasha na Polônia: ela rouba o celular de Niko e envia a mensagem para Eve, pedindo para ela ir ao país. Quando Eve chega ao país, vê Niko morrendo ao ser atingido por uma lança no pescoço. Provavelmente com o plano de que Eve acredite que Villanelle é a responsável por essa morte.

E o episódio acaba no bloco “Casa”, com Villanelle enfim chegando à cidade de sua família para conhecê-los. Vemos o paralelo entre Eve e Villanelle: de um lado Eve atônita ao ver o marido sangrando e do outro Villanelle indo realizar algo que tanto desejou. Mais um ótimo episódio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *