[Crítica – Mostra SP 2020] 17 Quadras (2019)

17 Quadras é um documentário que nos conta sobre uma história de uma família norte-americana em específico, mas que facilmente pode ressoar entre outras famílias norte-americanas, brasileiras e de outros países. O documentário nos mostra a realidade de uma família negra norte-americana e todas as dificuldades que encontram durante a vida.

O documentário nos mostra a vida dessa família ao longo dos anos. No início, é explicado que o cineasta Davy Rothbart, em 199, conheceu Emmanuel Sanford-Durant e seu irmão “Smurf” durante um jogo de basquete em Washington, DC. Com a amizade crescendo, Davy começou a filmar o cotidiano deles. Emmanuel, Smurf e a família também começaram a filmar. E essas filmagens duraram durante os últimos 20 anos, resultado em mais de mil horas de filmagem, que começam em 1999, no bairro em que moravam na época, 17 quadras atrás do capitólio.

jÉ uma realidade muito atual e presente e o documentário não deixa de mostrar isso de forma crua, como quando vemos ambientes da casa sujos de sangue ou quando Cheryl fala ao seu neto que ele parece com seu tio, assassinado aos 19 anos, e o menino então questiona se irá morrer daqui a alguns anos.

As questões raciais e de classe são evidentes por todo o filme. O documentário também mostra e trata sobre vício em drogas, tráfico de drogas, emprego, violência urbana. Ao longo de sua duração, somos apresentados a essa narrativa e convidados a refletir sobre ela. Começado a ser gravado meio sem compromisso, 17 Quadras acaba se tornando um poderoso registro da família Durant, refletindo a realidade de famílias por todo o mundo. Cheryl se droga com frequência e seus três filhos, por vários motivos, acabam tendo que amadurecer rápido. Há o caso do filho que se volta ao tráfico, o caso do filho que é vítima da violência urbana – e depois da falta de solução para o caso – e a que não consegue realizar os sonhos e vira dona de casa.

O documentário também acerta ao conseguir resumir bem os 20 anos de gravação em 1h37, sem deixar a narrativa nunca cansativa ou com sensação de que as histórias ali não precisam ser mostradas. E ainda que parta nosso coração em diversos momentos, o filme consegue deixar um tom otimista ao final.

17 Quadras faz parte da 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorre entre 22 de outubro e 4 de novembro em formato online

Exibido nos festivais de Tribeca e Karlovy Vary

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *