Filmes

47ª Mostra de Cinema de SP revela seleção oficial

De 19 de outubro a 1o de novembro, acontece em São Paulo a tradicional Mostra Internacional de Cinema. Compõem a seleção deste ano cerca de 360 filmes de 96 países. A mostra acontece em 24 salas de cinemas, espaços culturais e CEUS espalhados pela capital paulista, incluindo exibições gratuitas e ao ar livre. Além disso, as plataformas Itaú Cultural Play, Sesc Digital e Spcine Play vão dar acesso gratuito a títulos selecionados pela curadoria do evento.

Anatomia de uma Queda (Anatomie D’une Chute), de Justine Triet, vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes, abre a 47a Mostra na quarta-feira, dia 18, na Cinemateca Brasileira, em sessão para convidados.

Entre os títulos confirmados para a 47a edição estão Maestro, de Bradley Cooper, A Teoria Universal, de Timm Kröger, Ervas Secas, de Nuri Bilge Ceylan, Fallen Leaves, de Aki Kaurismaki, A Besta, de Bertrand Bonello, Bom Dia à Linguagem, de Paul Vecchiali, Mulher de…, de Malgorzata Szumowska e Michal Englert, O Livro das Soluções, de Michel Gondry, Juventude (Primavera), de Wang Bing, Na Água, de Hong Sang-soo, Evil Does Not Exist, de Ryûsuke Hamaguchi, La Chimera, de Alice Rohrwacher, Anselm – 3D, de Wim Wenders, Fechar os Olhos, de Victor Erice, e O Espectro do Boko Haram, de Cyrielle Raingou.

A arte do cartaz da 47a Mostra é assinada pelo italiano Michelangelo Antonioni, que recebe uma tripla homenagem. O festival faz uma retrospectiva que conta com 23 títulos do cineasta. Serão exibidos curtas e longas, documentários e ficções, realizados entre 1947 e 2004.

Além disso, entre os dias 23 de outubro e 17 de novembro, 24 pinturas de Antonioni ganham exposição com entrada franca no Instituto Italiano de Cultura de São Paulo. E ainda, para completar a homenagem ao mestre Antonioni, o seu roteiro Tecnicamente Doce terá uma leitura feita por grandes atores e dirigida pelo cineasta André Ristum. Uma oportunidade para o público da Mostra ver a preparação do futuro filme.

A Petrobras inaugura uma nova ação de patrocínio com a construção de um espaço temporário na Cinemateca Brasileira. Chamado Espaço Petrobras, o local vai abrigar, além de sessões tradicionais na área externa, o Domingo Musical, no dia 22, com a exibição do filme Saudosa Maloca, de Pedro Serrano, que será precedido por uma roda de samba com Everson Pessoa, que fez a trilha do filme, e convidados. Meu Sangue Ferve por Você, de Paulo Machline, encerra a noite com canja de Sidney Magal.

O Espaço Petrobras vai exibir no dia 19 De Longe Toda Serra É Azul, de Neto Borges, seguido de show de Zeca Baleiro, autor da trilha sonora. No dia 26 é a vez da sessão de Mussum, O Filmis, de Silvio Guindane, ter apresentação de uma roda de samba na sequência.

A 47a Mostra também exibe o marco do cinema de vanguarda soviético Um Homem com uma Câmera (1929), de Dziga Vertov, com nova trilha composta pelo compositor, flautista e professor Luiz Henrique Xavier.

Em homenagem ao dramaturgo, diretor, ator e encenador José Celso Martinez Corrêa, o Zé Celso, morto em julho, o festival faz uma sessão especial de 25. O filme, dirigido por ele e Celso Luccas, registra as transformações provocadas pela Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique). O longa foi apresentado na primeira Mostra Internacional de Cinema, em 1977, sem a presença dos diretores, exilados pela ditadura militar.

Também ganham exibição as cópias restauradas dos clássicos Amor Louco (1969), de Jacques Rivette, Vale Abraão (1993), de Manoel de Oliveira, O Retorno à Razão (1923), de Man Ray, Corisco & Dadá (1996), de Rosemberg Cariry, O Sangue (1989), de Pedro Costa, e Underground: Mentiras de Guerra (1995), de Emir Kusturica.

Além de integrar o júri desta edição da Mostra, Kusturica vai receber o Prêmio Leon Cakoff, que também será entregue a Júlio Bressane, na abertura do evento. Integram a programação os dois filmes mais recentes do cineasta carioca, o documentário A Longa Viagem do Ônibus Amarelo e a ficção Leme do Destino.

Já o Prêmio Humanidade deste ano será entregue a dois documentaristas: o cineasta francês Sylvain George e o diretor americano Errol Morris. George é homenageado com a exibição dos sete documentários dirigidos por ele. Também ganha sessão o filme mais recente do premiado diretor americano, The Pigeon Tunnel.

Três longas de Lenny Abrahamson, que integra o júri com Kusturica, Bárbara Paz, Enrica Fico Antonioni, Mariette Rissenback e Welket Bunguê, serão revisitados na Mostra: Adam e Paul, Garage e O que Richard Fez. Integra a programação do festival a exposição O Filme Perdido, com desenhos originais da graphic novel homônima de Cesar Gananian e Chico França. As obras ficarão expostas no foyer do Cinesesc a partir do dia 18 de outubro. O livro também será lançado durante a Mostra.

Além dele, também serão lançados durante o festival dois livros que celebram os trabalhos de dois grandes nomes da crítica brasileira: “Inácio Araújo – olhos livres”, organizado por Sérgio Alpendre e Laura Loguercio Cánepa, e “A Arte da Crítica”, de Luiz Zanin Oricchio.

Pela primeira vez, a Mostra leva parte da seleção de sua 47a edição ao Norte do Brasil. Uma parceria com o Centro Cultural Casarão de Ideias (CCCI), em Manaus, vai exibir títulos brasileiros e internacionais em três locais do centro da capital amazonense entre os dias 27 e 29 de outubro.

A itinerância promovida pelo Sesc ocorrerá em 10 unidades do interior paulista, de 21 de novembro a 21 de dezembro. Os filmes da Mostra serão exibidos nos Sesc Araraquara, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Rio Preto, São Carlos, São José dos Campos, Sorocaba, Jundiaí e Campinas.

Também integram a programação da 47a Mostra obras em realidade virtual, que serão exibidas na Cinemateca Brasileira e no Cinesesc. Foram selecionados cerca de 10 títulos premiados em festivais internacionais.

Pelo terceiro ano consecutivo, a Mostra realiza o Encontro de Ideias Audiovisuais, que inclui o VII Fórum Mostra, o VII Da Palavra à Imagem e o II Mercado. O Encontro será realizado de 26 a 28 de outubro, na Cinemateca Brasileira.

A Cinemateca Brasileira também abriga durante o III Encontro de Ideias uma exposição com releituras de 25 cartazes de filmes brasileiros feitos por 25 artistas diferentes. As obras celebram os 25 anos da Globo Filmes.

Além do aplicativo exclusivo da Mostra, onde estarão disponíveis programação, venda de ingressos e notícias do festival, neste ano cerca de 20 filmes da seleção terão recurso de acessibilidade por meio do aplicativo Mobiload.

A Netflix pela primeira vez vai entregar um prêmio no festival, que será concedido a um filme brasileiro participante da Mostra deste ano que ainda não tenha contrato com um 4 serviço de streaming e que será licenciado e exibido em mais de 190 países.

Também pela primeira vez será entregue o Prêmio Paradiso para um dos filmes selecionados da seção Mostra Brasil. A premiação vai apoiar a distribuição da obra nas salas de cinema brasileiras.

E pela segunda vez o coletivo BRADA, de diretoras de arte do Brasil, entrega um prêmio para direção de arte. Também organiza três mesas na Cinemateca que irão discutir a importância da direção de arte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *