Uncategorized

Scream Queens: Jamie Lee Curtis fala sobre a segunda temporada




Não é a primeira vez que Jamie Lee Curtis trabalha em hospitais. Em seu filme de estreia, Halloween, em 1978, ela interpretou uma quase-vítima do serial killer. O filme foi seguido por Halloween II, de 1981, que se passou num hospital. Agora, ela volta para o cenário de hospital na segunda temporada de Scream Queens.

“Eu fui lembrada pelos produtores Brad Falchuck e Ian Buchanan que Halloween II acontece num hospital”, disse a atriz. “Eu não lembrava disso, mas, é claro, a homenagem agora é para todos esses filmes de terror famosos em hospitais. Mortes macabras e esses banhos terríveis de sangue”.

A série, que teve a primeira temporada na ficcional Wallace University, é uma homenagem para esses tipos de filmes, disse a atriz. “Mas é um híbrido. Não há dúvida. Há horror, e o estilo de comédia deixa tudo muito mais híbrido”.

A segunda temporada se passa anos após a primeira. A personagem de Jamie, Cathy Munsch, ficou famosa após o escândalo do serial killer, apareceu numa série de capas de revistas e agora está no controle de um hospital.

“Ela está agora abandonando o sistema grego [ou seja, o sistema de ‘fraternidades’ e ‘irmandades’ de universidades], que acabou neste país e agora está na indústria de cuidados de saúde. Então ela contrata médicos, as estudantes voltam como estudantes de medicina. Zayday (Keke Palmer) vira médica e Hester (Lea Michele) é uma loucura”, contou a atriz.

A mudança, de acordo com a atriz, indica que Scream Queens é essencialmente uma série diferente. “Nós mudamos abruptamente. Como quando você está dirigindo pela estrada, acha que sabe para onde está indo, e literalmente… [a atriz emite um som estridente] Agora você está dirigindo por uma estrada nova e está numa nova cidade”.

Com esse papel, na primeira vez em sua carreira ela admite que não tem ideia do que está acontecendo. “Eu não sei de nada. Na primeira temporada Ryan Murphy me disse, ‘é uma irmandade e você as odeia e você é uma feminista”, conta. “O que gosto sobre agora é que não há nada conhecido. Você não pode fazer uma personagem baseada numa ideia que você sabe o que é, porque na verdade eu não sei de nada. Você apenas sabe uma parte e é isso. Então, de repente, sua personagem faz exatamente o oposto do que você poderia imaginar, e isso tudo porque o roteiro é bom. Você não consegue planejar isso”.

Embora Scream Queens seja de humor negro, Curtis diz que a segunda temporada também é uma parábola sobre o estado do sistema de saúde dos EUA, que muitas vezes é impulsionado por dinheiro, e não pelo desejo de curar. “Dean Munsch faz palestra no Ted talk para explicar por que está abrindo um hospital, porque ela tem essa filosofia específica que a indústria médica, basicamente, conspira para manter as pessoas doentes. Essa é a sua coisa. Os médicos estão nessa indústria. É um ponto de vista muito específico”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *