[Crítica] Scream Queens: 1×12 – Dorkus

O episódio final da primeira temporada de Scream Queens foi duplo. Mas como foram dois episódios “separados”, com direito a créditos após o término do primeiro, optamos por fazer dois textos separados. Então vamos lá, sobre a primeira parte/primeiro episódio, “Dorkus”.

O episódio começa exatamente onde o último terminou, com Pete (Diego Boneta) assumindo que é um assassino. Ele admite para Grace (Skyler Samuels) que faz parte do esquema do Red Devil e que já vestiu a roupa e matou pessoas. Ele disse que foi o responsável pela morte de Roger, Boone (Nick Jonas) e que tentou matar Chanel (Emma Roberts) no shopping (e acabou acertando a flecha em seu ombro).
Grace, claro, fica indignada com tudo que ouve. E é meio que genial toda a explicação de Pete. Não a explicação exatamente, mas o que está por trás dela, a ideia. Ele tenta racionalizar tudo e tenta se ancorar na justificativa de que todas as mortes são por “uma boa causa”. Que todo esse mal tem um “lado bom”, que é acabar com a Kappa Kappa Tau, que representa tudo de ruim. Então a lógica dele é acabar com o que há de ruim fazendo algo ruim, ou pior? O Red Devil está certo em sair matando todo mundo porque na verdade está fazendo um bem para a “humanidade”?

Quando Grace ameaça ir embora, ele diz que vai revelar quem é o terceiro Red Devil, ao lado dele e de Boone. E assim que vai contar, o Red Devil aparece e o mata. Poderia ter matado Grace também, mas por algum motivo a deixou se safar.

Na casa Kappa, Chanel está arrasada porque um email que ela enviou para as Chanels cheia de ódio “vazou” e agora todo mundo a odeia. Ela tenta se matar, não consegue e Zayday (Keke Palmer) tenta a ajudar. Então um Red Devil entra no quarto. As duas conseguem levá-lo ao chão, tiram sua máscara e ele é… um desconhecido? 
Ele explica que é um simples entregador de pizza, que tem uma dinamite grudada dele e que foi obrigado a vestir a roupa de Red Devil por uma mulher. A dinamite acaba mesmo explodindo – assim como o entregador – e, apesar da cena claramente ser bem violenta – foi super bem filmada. Gostei! Sangue pra todo lado, máscara do Red Devil voando e em foco… bem legal mesmo.

Depois Chanel tem a ideia genial se limpar a sua imagem publicamente. Como? Aqui vem mais uma ótima crítica: Pedindo uma desculpa falsa para Melanie Dorkus, gravando o vídeo, publicando na internet e pronto. Assim todo mundo irá ver como ela é boa e irão perdoá-la, assim “como acontece com as celebridades”, que podem falar o que for e depois posar de arrependidas e pronto, todos esquecem tudo.
Chanel, Chanel #3 (Billie Lourd) e Chanel #5 (Abigail Breslin) vão para a casa de Melanie e Hester (Lea Michele) fica no closet de Chanel, fascinada com as roupas e sapatos de Chanel. Pelo menos aparentemente é isso. Chanel #5 vai embora porque tem um encontro no Tinder, e assim o episódio tenta criar uma suspeita de que ela pode ser a Red Devil.
Ao mesmo tempo, Grace tem a genial ideia de descobrir quem é a bebê da banheira (Pete disse que era uma de suas “irmãs”) olhando o histórico da faculdade. Como fazer isso? Fazendo com que seu pai Wes (Oliver Hudson) durma com Dean Munsch (Jamie Lee Curtis) enquanto ela vasculha os históricos na sala ao lado de Zayday. Por que ela simplesmente considerou que Zayday não é a Red Devil? Ela “simplesmente sabe”. hahahaha Outro ponto alto do episódio: A cena entre Wes e Dean Munsch. Hilária!

Grace e Zayday descobrem que o currículo de Hester é completamente falso. Na casa de Melanie Dorkus, Chanel #3 grava as desculpas de Chanel, até que Chanel tenta matá-la com uma tesoura, pois acredita que Dorkus é o Red Devil. Nesse mesmo momento Grace e Zayday chegam e dizem que descobriram que o Red Devil é… Hester. Observação: O momento em que contam que Hester é o Red Devil e Chanel se desculpa com Melanie é maravilhosa. Emma, em poucos segundos, conseguiu uma das cenas mais engraçadas do episódio. Esses gifs abaixo! <3

  
E mesmo nos últimos minutos ainda dá tempo para algumas reviravoltas, mesmo que falsas. Todas vão até a casa Kappa pegar Hester e encontram Chanel #5 no banheiro contando uma história mirabolante sobre seu encontro no Tinder. Suspeito, né? Todas ouvem um grito. Vão correndo até o closet de Chanel e… encontram Hester deitada no chão com o salto de um sapato enfiado no olho. Exatamente isso!

E assim o episódio termina numa grande reviravolta. Como isso aconteceu com Hester? Ela aponta para Chanel #5 e diz… “Red Devil!” levando todas a realmente acreditar que Chanel #5 é a assassina.
O episódio conseguiu se segurar bem e trouxe alguns “textos” nas entrelinhas bem interessantes, como a ideia de se sentir superior por fazer o mal por uma “boa causa”, assim como mostrar como costumamos passar a mão na cabeça de celebridades que fizeram ou falaram algo ruim após um pedido de desculpas programado.
Nota: 4.5/5

Leia a crítica da primeira parte da season finale, 1×13 – “The Final Girl(s)”, clicando aqui!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.