[Crítica] Scream Queens: 1×06 – Seven Minutes in Hell

O episódio foi quase inteiramente passado dentro da casa Kappa. No episódio, eles brincam de Verdade ou Consequência para tentar descobrir quem pode ser o assassino. De acordo com Chad, não é possível mentir nesse jogo, por isso não tem erro. Ok, né? hahaha

Esse foi um dos episódios mais sangrentos da série. Até agora, pelo menos. Três personagens foram assassinados: Sam (Jeanna Han), Roger (Aaron Rhodes) e Caulfield (Evan Paley). Caulfield, vale lembrar, já havia perdido os dois braços por causa do Red Devil. Agora, perdeu a cabeça. E isso é Scream Queens! Sam teve ótimos momentos com Chanel #3 (Billie Lourd) antes de morrer. As duas ensaiaram um romance lésbico e isso rendeu ótimas e engraçadas cenas.
O roteiro é destaque, cheio de cenas e diálogos engraçados, como o que Chanel #3 e Chanel #5 (Abigail Breslin) conversam honestamente sobre perder seus interesses amorosos até Chad (Glen Powell) afirmando que não é possível mentir no Verdade ou Desafio). E cada frase dita por Chad é super engraçada, não tem jeito!

 
O episódio não nos deu muitas pistas sobre quem seria o Red Devil, nem o motivo dele ter certa obsessão com membros do KKT e outros estudantes da Wallace University. E nem sobre quantas pessoas mortas estão realmente mortas.
Emma Roberts continua ótima no papel de Chanel Oberlin e também nos dá algumas das cenas mais engraçadas do episódio. A sua cena com Zayday (Keke Palmer) no subsolo foi ótima, com direito a ataque do Red Devil e tudo mais. O Red Devil parecia certo de que queria matar Zayday, mas depois de muita luta, e uma ajuda inesperada e muito importante de Chanel, ela conseguiu se salvar.
Entre as informações que ganhamos durante o episódio, está a de que Chanel elaborou um plano para Zayday ganhar a eleição presidencial da KKT. Também descobrimos o motivo da Chanel #3 sempre usar fone de ouvido, e o motivo é ridículo (um cara obcecado com suas orelhas?), e por isso mesmo maravilhoso.

Em certo momento, Wes diz que sua filha irá embora dali. Claro, né gente? Se sua filha está estudando num lugar que diversas pessoas estão sendo assassinadas, você certamente vai querer tirá-la de lá. Mas Grace se recusou, disse que suas irmãs precisam dela, e ficou por isso mesmo. Mas com exceção de Zayday, acho que ela não é amiga de mais ninguém para falar assim, né?

Em outro momento, Chanel diz que Pete é o assassino, já que ele é o único que não está na festa. Grace explica que ele está estudando. No dia seguinte, quando toda a matança terminou, ele envia mensagem para ela dizendo que está livre.

Segundos antes de morrer, Sam pediu para saber a identidade do Red Devil. Após vê-lo tirar a máscara (nós não vemos sua identidade, claro), ela diz “Eu sabia, eu sabia que era você”. Quem será? Supondo que todos estavam na sala de estar nesse momento, o Red Devil seria Gigi, Wes ou Pete? Ou Dean Munsch? Ou Denise?

Ainda não dá para falar com certeza, já que Scream Queens segue nos dando diversas pistas ou sugestões, nem todas elas corretas, deixando em aberto até a quantidade de Red Devil que estão à solta. A gente quase se pergunta durante os episódios quem NÃO é o Red Devil.
Como tem acontecido até aqui, esse foi mais um episódio cheio de horror, comédia e sátira. Esse episódio foi escrito por Ryan Murphy, que com certeza escreve alguns dos melhores e mais equilibrados episódios da série. Não, Scream Queens não é uma série perfeita. Mas uma vez que você se deixa levar pela história e por seu gênero, ela consegue divertir, e esse episódio cumpriu bem esse papel!

E Chanel #3 fica com uma das melhores falas do episódio: “Que ótimo dia para fingir que todas essas pessoas que conhecemos não foram brutalmente assassinadas”, enquanto as demais estão dançando em momento que, como Hester bem descreveu, é “maravilhosamente aleatório”.

Nota: 4/5

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.