[Crítica] American Horror Story: Hotel – 5×05 – Room Service

O quinto episódio de American Horror Story: Hotel, “Room Service”, começou nos mostrando Alex voltando para a sua rotina e tentando se adaptar após virar vampira.

Alex (Chloe Sevigny) foi transformada em vampira pela Condessa (Lady Gaga) para ficar junto ao seu filho por toda a eternidade. Enquanto trabalha como pediatra, ela vê um menino quase morrendo de sarampo. Para curá-lo, ela injeta um pouco de sangue no soro que ele está tomando. Ela não fez por mal. Provavelmente se viu naquela mãe que estava prestes a perder o filho e lembrou de toda a sua dor. Mas a consequência não foi boa.



O menino se curou… ele virou vampiro. E então vemos um pouco da vida do menino – uma parte do episódio que achei bem interessante. Antes de ir para a escola, ele mata a mãe e suga o seu sangue. Ao chegar na escola, mata uma amiga e o zelador. Ele e a amiga transformam toda a classe em vampiros. Outras crianças morreram. Uma verdadeira carnificina de crianças. Quando a polícia chega ao local, as crianças mentem na cara dura sobre o que acabou de acontecer, fazendo parecer que aquilo foi um ataque de algum adulto que invadiu a escola. Mostrar as crianças massacrando professores foi bem ousado.

Também vemos Iris (Kathy Bates) pela primeira vez após ela virar vampira. Já que a Condessa “nem olha para ela”, Iris volta ao Hotel Cortez como infiltrada. Ao ver Iris, a Condessa afirmou que ela estava com cheiro diferente, mas não levou à ideia a frente. Um casal de hipsters chega ao hotel e é atendido por Iris. Participação especial de Darren Criss e Jessica Lu nos papéis dos dois insuportáveis hóspedes. Sua participação acabou quando Iris resolveu libertar sua raiva e matar o casal, além de se alimentar com o sangue dos dois.



Outra parte que adorei do episódio foi o flashback de 1984, mostrando a história de Liz Taylor (Denis O’Hare). Ele conta que não é gay; ele era um pai de família que gostava de se vestir como mulher. No Hotel Cortez, ele conheceu a Condessa, que foi crucial para lhe dar a confiança que precisava para se assumir na forma que gostaria. Toda essa história achei bem sensível e tocante. A série conseguiu falar sobre aceitação, mesmo em meio a tanto sangue e terror. Denis O’Hare, Kathy Bates e Lady Gaga estavam maravilhosos em todas as cenas desse plot.

Já todas as cenas com John (Wes Bentley) neste episódio de American Horror Story: Hotel eu dispensaria. Tirando tudo que engloba a história de John Lowe, achei o episódio maravilhoso. O mais tocante e bem feito da temporada, até agora.

“Você se torna capaz de ver tudo quando o mundo não te vê”

“Beleza não te falta, te falta comprometimento”

Leia também:

[Crítica] American Horror Story: Hotel – 5×01 – Checking In

[Crítica] American Horror Story: Hotel – 5×02 – Chutes and Ladders

[Crítica] American Horror Story: Hotel – 5×03 – Mommy

[Crítica] American Horror Story: Hotel – 5×04 – Devil’s Night

[Crítica] American Horror Story: Hotel – 5×06 – Room 33

[Crítica] American Horror Story: Hotel – 5×07 – Flicker

[Crítica] American Horror Story: Hotel – 5×08 – The Ten Commandments Killer

[Crítica] American Horror Story: Hotel – 5×09 – She Wants Revenge



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.