[Crítica – Mostra SP 2018] A Madeline de Madeline (2018)

A Madeline de Madeline poderia ser resumida como improvisação levada ao extremo. O filme nos apresenta a iniciante e ótima Helena Howard. O filme tenta nos mostrar o que é viver com doenças mentais.




Rapidamente nós ficamos sabendo que Madeline, que tem 16 anos, tem uma doença mental. Mesmo assim, ela pode ser mais saudável que algumas pessoas de seu convívio, como sua mãe Regina, interpretada por Miranda July, e a instrutora de teatro Evangeline, interpretada por Molly Parker.

Não é um filme para quem só gosta de assistir algo com a narrativa padrão. É um filme para assistir a algo diferente e muito experimental. “Você não é o gato. Você está dentro do gato”, ouvimos no início do filme, enquanto Madeline ronrona e faz movimentos felinos. Ela tambbém vai a praia vestida de tartaruga. E transmite sua raiva nas ruas de Nova York vestindo uma máscara de porco. Evangeline afirma que a nossa mente não oscila entre verdadeiro e falso, e sim entre o sentido e o absurdo. Também ficamos sabendo que tudo que estamos testemunhando é uma metáfora. E isso diz muito sobre A Madeline de Madeline.

Uma cena marcante do filme é a cena em que Madeline tenta seduzir o marido de sua professora de teatro. Mesmo ela sendo virgem e menor de idade. Todas as cenas do filme tentam nos mostrar que Madeline está tentando descobrir quem é, com uma narrativa onírica e fragmentada. Mas a força do filme está na parte técnica. A imagem borrada constantemente, a trilha sonora com mudanças drástica, as escolas estilísticas…




Molly Parker usa a influência que tem para que Madeline passe a confiar nela, falando coisas como “Sonhei que você era a minha filha” e usando essa relação para explorar a menina-prodígio. Já a mãe de Madeline é uma personagem frágil, mas ao mesmo tempo errante. As três personagens principais têm bom desempenho. Mas o filme é tão fragmentado que em certo momento acaba te afastando da história. E o seu ponto mais alto é definitivamente a performance de Howard.

A Madeline de Madeline faz parte da 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *